Arquivo | Contos RSS for this section

Por do Sol

Enrubrecido morre aquele que me aqueceu
Leva contigo os sonhos deste que já morreu
Espero a relva doce da minha cova ser sepulto
Olho a ti, como se não houvesse outro consolo no mundo
Parece-me triste, mas sou eu que não tardei a partir
No apogeu da minha vida, cometido fui de um ataque vil
Representei meu trabalho e é por isso que lhe falo pela ultima vez
Sol que já não tarda a partir, escuta-me e acalenta minha dor
De minha profissão, a hostilidade deveria combater
Sem piedade bandidos e ladrões deveria prender
Tornar o mundo mais são, para tu sol aquecer
Prendi ladrão perigoso que o nome não tardei de esquecer
Anos se passaram e a mim tu acompanhaste
Para meu inimigo esquecido mais quadrado rancores guardaste
E quando fostes ontem e me deixasse na escuridão
Deixei minha esposa em casa e meus filhos assistindo televisão
Passei por rua deserta fazendo inspeção de rotina
E na frente de um cemitério ocorrou a minha chacina
O homem que eu havia esquecido o nome já havia cumprido prisão
E em seus olhos vi a raiva, executada com uma pistola na mão
De sangue jorrou meu peito em três disparos certeiros
E a quem perdeu muitos dias de vida
Me tirou a vida inteira
Cai de joelhos com a vista alterada
Enquanto nas janelas senhoras curiosas observavam
Aquele que me atirou sumiu na escuridão
E uma mão me segurou, enquanto eu desfalecia ao chão
Passou-me neste momento tudo o que vivi
E uma certeza amargurada no peito de meu trabalho cumprido
Mesmo que minha alma fosse dada como partido
Agora neste caixão eu tento esquecer
A imagem da minha esposa, e a lágrima dos meus filhos correr
Só a tua imagem caro sol vem a me consolar
Morre todo final de dia, e em novo dia se põe a raiar
Mesmo que a ti não volte mais a ver
Cuida do que deixei de ti não esquecerei
Vou contigo por do sol, morte do meu viver

Escrito em 01/02/1999

Anúncios

Partido sobre minhas cicatrizes e das canções que não ouvi…

(…por uma pessoa que não sou eu, mais que poderia ser daqui 40 anos)

 Engraçado como o tempo flui rápido quando não percebemos o amor das pessoas que estão do nosso lado, se a minha pele já é cheia de rugas, e minha memória ja me trai quando tento lembrar as coisas mais simples, penso que grande parte seja culpa disso.
Durante toda minha vida tentei buscar a razão para amar a mim mesmo, eu nunca consegui entender se isso é um dom, se é uma lição a ser aprendida, ou se é alguma coisa que eu nunca consegui entender, mais o certo é que agora, no fim da minha vida… percebo que me irritei demais por esses pequenos dilemas da vida. As vezes é dificil ser sincero para com os outros, se você não consegue ser sincero com você mesmo, se a vida trouxe as cicatrizes cabe a cada um aceitá-las e entendê-las.
Os amigos que deixei para trás são muitos, e comecei a entender como foi importante viver cada momento, somente quando ele era momento, porque depois que ele passa, tudo fica sem sentido, aprendi que estender uma mão é mais importante do que se segurar em uma em um momento de fraqueza.
Na verdade vivemos como produto de padrões que nunca conseguimos aceitar, e mesmo assim tentamos aceitá-los, a falta de amor próprio é consequência de negar a natureza daquilo que queriamos ser na verdade. Mais percebi que o tempo não é um ser que nos espera compreender as coisas, ele é impassivel, e sempre achamos que temos todo o tempo do mundo, e sempre vislumbramos a possibilidade de que se pudessemos voltar atras não tivessemos feito tudo diferente, na verdade não temos o tempo para perceber e fazer duas vezes.
Temos sempre a impressão que nessa estrada da vida estamos acompanhados, mais na verdade estamos sempre sozinhos, não devemos esperar que as almas que nos acompanham escolham os nossos caminhos, é mais ou menos como num parque de diversões, onde temos que ir nos brinquedos menos emocionantes pois temos que compreender que sua companhia tem medo de sentir pavor.
E acreditem, a estrada é longa! Mais entender os motivos que movem os outros seres faz ela parecer mais curta, talvez seja uma das coisas mais importantes, antes de se compreender, compreender a razão das ações das outras pessoas. Basicamente as pessoas só são movidas por 3 forças AMOR, INVEJA e AMBIÇÃO, são essas propriedades que fazem o mundo girar e que regem as ações de todas as pessoas do mundo. Já se sentiu como se só houvesse você no mundo, e como se todas as outras pessoas somente fossem figurantes para a sua história? É mais ou menos isso, entender como cada figurante se encaixa na sua história te faz viver melhor. Se hoje eu escrevo isso é porque eu entendi isso tarde demais, e isso não faz mais sentido na minha vida, porque agora estou sozinho. Eu não sei se Deus me dará opção de tentar novamente (nem ao menos sei se ele existe realmente, mais em breve vou descobrir), mais ao mesmo tempo uma nova tentativa poderia ser uma nova chance de errar, e o medo no coração as vezes nos faz pensar duas vezes se valeria a pena se arriscar, é o maldito condicionamento! Nos condicionamos a ter medo de errar e acabamos não nos permitindo arriscar.

Sonhos….

Eu acredito que enquanto alguns sonhos não servem para

absolutamente nada, existem outros que servem para

enxergarmos alguma coisa que fizemos, ou estamos

fazendo errado. Quando isso acontece as mensagens não

são definidas, e cabe a nós decifrá-las e idenficar

cada ponto que ela converge com a nossa vida.

A maioria das pessoas ignora esse tipo de sonho.. e

apenas acredita que seja um pesadelo ruim, até porque

a maioria dos sonhos esquecemos minutos (ou segundos)

depois que acordamos, portanto vale a pena parar para

refletir sobre ele assim que se acorda, porque assim

fixamos ele em nosso pensamento mais facilmente e

podemos então analisá-lo.

Esse sonho que vou descrever tive essa noite, e embora

pareça bastante desconexo e assustador (e realmente

foi). Pude tirar muitas conclusões sobre ele… essas

conclusões não vou citar aqui porque não conveem, elas

pertencem exclusivamente a mim.

"Parta-se do princípio que eu vendi minha alma ao

demônio, pode-se parecer assustador, mais foi isso que

aconteceu. Pra falar a verdade eu nem sei bem se foi

eu que vendi, porque as vezes fazemos escolhas tão

inconscientemente que nem sabemos que foi uma escolha

e que você teve mais alternativas para fazer certa

coisa. O demônio me aparecia como uma consciência que

me incitava a fazer as coisas e dirigia o meu caminho.

Na verdade ele parecia não se importunar de perder a

minha alma, porque ele me dava informações de como eu

conseguiria resgatá-la novamente, mais isso dependeria

tão somente de mim. Eu teria que conseguir terra, uma

planta e adubo, no entanto isso deveria ter que ser

tirado de lugares específicos. Para buscar a planta eu

tive que atravessar uma favela, enquanto passava por

ruas escuras observava o olhar de pessoas curiosas me

julgando, me acompanhando cada passo que eu dava, como

se aquelas pessoas soubessem o que eu iria fazer, e o

motivo daquilo, e isso fosse uma coisa vergonhosa. Ao

me deparar numa esquina um negro me observou com um

olhar de raiva, como se eu houvesse lhe incomodado,

invadido o seu espaço. Apressei meu passo e ele me

seguiu, tive muito ódio, pois o assunto não era de sua

conta. O demônio então me advertiu que como eu havia

lhe dado sua alma, qualquer pessoa que eu tocasse e

sentisse ódio dessa pessoa, essa morreria. Tive

vontade que o negro não me seguisse, e também senti

raiva, no entanto, procurei andar mais rápido e chegar

logo ao meu destino. A rua que agora descia de modo

ingrime terminava em uma rua sem saída e do lado

direito havia uma grande entrada do que parecia ser um

estádio de futebol, estava deteriorada, e 2 bandeiras

rasgadas tremulavam, mais eu nao consegui enxergar ao

certo que bandeiras eram. Me apressei a pegar a planta

que estava num canto enterrado. Nesse momento invadiu

o estádio um carro com as luzes acesas que me

incomodaram, quando ele parou percebi que havia um

amigo meu, e mais duas garotas muito bonitas, uma

loira e uma morena. Esse meu amigo me ofereceu carona

para conseguir a terra que eu necessitava, a qual

aceitei de bom gosto. Ele sentou no banco de trás com

a morena e permaneceu em silêncio. A loira se dirigiu

ao volante e eu sentei ao seu lado. Nos afastamos da

cidade em direção ao campo. É incrível como aquela

moça conseguiu me consquistar, parecia que ela sabia

tudo o que eu queria escutar, e tinha o jeito de

alguém que eu sempre esperei encontrar. Confesso que

com seu jeito ela conquistou a minha confiança, e

continuamos viajando, depois de muitos e muitos

quilômetros rodando na escuridão, houve um momento que

quase adormeci, a estrada era monótona apenas

vegetação em ambos os lados, e a estrada também seguia

somente reto, não havia curvas. Quando estava quase

adormecendo olhei para o lado e vi que a loira olhou

pra mim, então ela largou o volante e distanciou seus

pés dos pedais. O carro então começou a sair da

estrada, e eu me desesperei, no entanto os outros que

estavam no carro manteram a calma, como se já

esperassem que aquilo fosse acontecer e só eu não

sabia. Segurei o volante e apertei forte o freio,

então o carro já fora da estrada parou. Eu perguntei

repentinamente assustado para ela o que aconteceu ela

me respondeu que não sabia dirigir. Olhei para o rosto

do meu amigo, e ele só parecia ser um cumplíce de tudo

o que estava acontecendo, abraçou a morena que estava

do seu lado e continuou em silêncio. Desci do carro

nervoso e me afastei do carro, caminhando em direção à

escuridão. Caminhei com pressa e orvalho já molhava

naquele momento. Se não há sentimentos em sonhos então

esse não era sonho, porque eu senti MUITO frio.

Parecia que por mais que eu andasse nunca chegava a

lugar nenhum, caminhei muito e o silêncio era mortal,

nem o diabo que falava na minha cabeça se pronunciava,

era só silêncio…

Nesse momento acordei…

Estava nadando em uma piscina quente, o sol

parcialmente ofuscado por nuvens fazia o tempo parecer

estranho, enquanto um homem estava sentado de costas

em uma cadeira. Então contei para ele tudo o que havia

acontecido comigo, ele me ouviu com atenção.

Depois descobri que eu estava contando toda aquela

história para o diabo, que apenas me escutava em

silêncio."

Ae eu acordei novamente, dessa vez de verdade.

Não me pergunte se eu consegui salvar minha alma,

talvez eu ainda não tenha morrido, e por isso essa

história não tenha terminado. Talvez todos nós

tenhamos vendido nossas almas e estamos buscando

coisas inúteis que nem tenham significado para nós,

mais que alguém nos sujeitou a fazer isso. Passamos

por julgamentos e temos que abaixar a cabeça, e somos

supreendidos por pessoas em que confiavamos. Mais a

estrada escura em que seguimos… na verdade sempre

seguimos sozinhos…

Pessoa é Atropelada na Abbey Road!

Depoimento de uma pessoa que viu o acidente

"Isso foi Yesterday, ai meu Deus, estou tão nervosa!" O cara estava imitando uma capa do disco dos beatles, e o carro vinha a alta velocidade ao som de The Long and Winding Road. Então eu gritei para a pessoa Get Back! Get Back!, mais não houve tempo… Só escutei o som da pessoa pedindo ajuda… Help!, ela dizia… foi sangue para todos os lados… uma cena muito triste… realmente… Corri até a pessoa e perguntei como ela estava… ele me respondeu: – I Feel Fine, eu disse, vc tem algum último pedido para fazer… ele disse: "I Wanna hold your hand", humildemente extendi minha mão para o último pedido daquela pobre pessoa. Foi quando um guarda apareceu no local, que já estava bem movimentado e disse para o rapaz: "She Loves You", eu percebi o mal entendido, mais já era tarde… acho q o rapaz estava meio tonto… estava vendo "Yellow Submarine", colocou a minha mão dentro das calças dele e me disse com uma voz de safado… vamos "Twist and Shout", e me ofereceu uma nota de 100 dólares com a outra mão. Fiquei abismada com tamanha ousadia e lhe disse "Hello Goodbye", "All you need is love", e me afastei dele… quando já estava a distância… ele gritou para mim "Hey Jude"… (Meu Deus! como ele sabia meu nome?)… Let it be. Aquele safado… mais agora ele deve estar com a "Lucy in the sky with Diamonds, e agora ele sabe que "Can't Buy me Love""
Jude Saint Stripper

Jude Saint Stripper ofereceu seu cachê para a casa de repouso as crianças necessitadas atormentadas pelo Chuck o boneco assassino.